CMP – Companhia Metalgraphica Paulista
Pontos de entrega de latas de tinta vazias na Baixada Santista somam mais de 330 kg coletados

Pontos de entrega de latas de tinta vazias na Baixada Santista somam mais de 330 kg coletados

Post 09-07

Guarujá, São Vicente, Itanhaém e Santos contam com nove pontos de entrega voluntária; plano prevê instalação em Cubatão, Praia Grande, Peruíbe, Bertioga e Mongaguá até novembro de 2021

Há um ano a Baixada Santista ganhava os primeiros pontos de entrega voluntária (PEVs) da Prolata para coleta de latas de tinta pós-consumo. Localizados nos municípios do Guarujá, São Vicente, Itanhaém e Santos, os nove pontos somam mais de 330 kg de latas de tinta coletadas no período.

Os PEVs fazem parte da estratégia da cadeia de produção e comercialização de tintas para cumprir todas as etapas da logística reversa, garantindo que as embalagens vazias possam ser coletadas e recicladas da forma correta, sem serem descartadas no meio ambiente, e gerando valor para toda a cadeia de reciclagem, especialmente para os catadores.

“O plano de ação prevê a instalação de pontos de entrega voluntária nos municípios de Cubatão, Praia Grande, Peruíbe, Bertioga e Mongaguá até novembro de 2021”, destaca Thais Fagury, presidente da Associação Brasileira de Embalagem de Aço (Abeaço) e coordenadora da Prolata.

A instalação dos postos da Prolata na Baixada Santista faz parte do plano de ação definido no Termo de Cooperação Ambiental celebrado, em novembro de 2018, entre o Grupo de Atuação Especial do Meio Ambiente (GAEMA), do Ministério Público de São Paulo; a Abeaço, criadora e coordenadora da Prolata; a Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (ABRAFATI); e a Associação dos Revendedores de Tintas do Estado de São Paulo (Artesp).

Além de tornar a embalagem mais segura, preservando o produto e evitando vazamentos, o aço é um material ambientalmente sustentável. Confira cinco dicas da Prolata para reciclar as latas de tinta pós-consumo:

Em primeiro lugar, evite as sobras de tinta, economizando o seu dinheiro e poupando o meio ambiente. Antes de ir à loja de material de construção, meça as paredes que precisa pintar. Passe as medidas para o consultor técnico de tintas, um profissional disponível nas melhores lojas do mercado. Ele é o mais capacitado a te ajudar a calcular quantos galões você realmente vai precisar. Se você é daqueles que guarda restos de tintas dentro do armário para um dia utilizá-los, saiba que, se a lata for fechada direitinho, a tinta ainda vai durar algum tempo. Depois que a lata é aberta pela primeira vez, tintas à base de água duram cerca de seis meses (dependendo das condições climáticas e de acondicionamento). Mas isso também depende do prazo de validade da tinta, impresso na lata. Nunca jogue restos de tinta no vaso sanitário, na pia ou no bueiro. Que tal doar o que sobrou para um parente, vizinho, amigo ou utilizar para ajudar na pintura da escola do seu bairro? Conseguiu esvaziar a lata? Ótimo. Não é necessário lavar. O filme de tinta que sobra na superfície interna costuma secar em cerca de 24 horas e não atrapalha a reciclagem. Procure um Ponto de Entrega Voluntária (PEV) da Prolata, ou cooperativa parceira ou entreposto Prolata e entregue a embalagem. A tampa de aço também é reciclável.

Endereços dos postos Prolata na Baixada Santista:

Baratão das Tintas Guarujá – Rua Iracema, 474, loteamento João Batista Julião

Baratão das Tintas São Vicente – Av. Antônio Emmerick, 1428, Vila São Jorge

Baratão das Tintas Itanhaém – Av. Pedro de Toleto, 26, Centro

Baratão das Tintas Santos – Av. Doutor Pedro Lessa, 1535, Ponta da Praia

Sodimac Dicico São Vicente – Av. Prefeito José Monteiro, 1045, Jardim Independência

Sodimac Dicico Itanhaém – Rua João Pedro Orsi, 117/120, Cidade Anchieta

Sodimac Dicico Guarujá Balsa – Av. Adhemar de Barros, 1531, Jardim Helena Maria

Dicico Guarujá Enseada – Av. Dom Pedro I, 2520, Jardim Belmar

Dicico Santos – Rua Alexandre Martins, 80 – 301, Aparecida


About the Author

André Rodrigues

 

Be the first to comment “Pontos de entrega de latas de tinta vazias na Baixada Santista somam mais de 330 kg coletados”